O Exercício do Amor Próprio

O Exercício do Amor Próprio

segunda-feira, 11 de junho de 2012

"Ingratidão tira a afeição"




Minha avó sempre me dizia que: "Ingratidão tira a afeição". A cada dia que passa, mais entendo essa frase. Vou percebendo que as pessoas quando são ingratas, podemos até não deixar de estar com elas, falar com elas, desejar o bem e até fazer o bem para elas, mas aos poucos, dentro de nós, elas vão perdendo espaço, prioridade e lugares cativos de pessoas especiais.

Mas também compreendo que, de repente para elas, isso pouco possa importar.



Angel Marques

9 comentários:

  1. Verdade, tenho passado por isso e parece que cada dia que passa essa pessoa morre dentro de mim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certamente, Márcio, quem não nos faz bem, não merece habitar em nós. Que siga sua caminha em paz, mas que nós também possamos seguir assim. Beijos e luz!

      Excluir
    2. Concordo Angel, quem não nos faz bem tem que habitar bem longe de nossos corações. Eu tbm tô assim cinco anos de casamento, e o companheiro da noite pro amanhecer mandou embora da casa dele.

      Excluir
    3. É, querido, não é simples entender essas atitudes. Ainda mais quando não agimos igual. Mas uma certeza nessa vida precisamos carregar: não podemo e nem devemos sofrer por quem não quer nos ter em sua vida. E, principalmente, não merecemos estar na vida de ninguém como "pedintes" de amor. Somos seres inteiros e merecemos inteirezas. Metades ou migalhas de amor não valem a pena! Se for para estar com alguém amando sozinho, é melhor estar só, se amando e na espera de uma novo amor. Acredite, ele sempre vem! Boa sorte! Muita luz, fé e amor próprio!!

      Excluir
  2. Concordo com vc Márcio, em número, gênero e grau

    ResponderExcluir
  3. verdade a cada dia vejo isso nas pessoa, infelizmente elas morrem dentro de nos e triste, mas e a realidade.

    ResponderExcluir
  4. Tentamos perdoá-las, justificá-las, achar que nós é que estamos julgando-as
    cruelmente, mas a verdade é que essas pessoas quando agradecem , é da
    boca para fora. Seus atos e gestos nos dizem o contrário e o que fazemos
    por generosidade acaba virando obrigação e deixa de ter o devido valor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ânonimo, tenho percebido nessa longa caminhada existencial que não importa o que as pessoas fazem ou falam, nós temos que continuar sendo quem somos e agindo da maneira que melhor nos sentimos. Claro, não temos que viver em função de ninguém que não queira isso, ou que não saiba, ao menos, valorizar. Mas, o mais importante é seguirmos com a nossa consciência tranquila que estamos fazendo o nosso melhor e fazendo a nossa parte. Se o outro não sabe aproveitar, lamento por ele. Beijos e luz, sempre!!! ;)

      Excluir